Miguel Torga


"Uma história triste agrada sempre. No seu sentido mais profundo, a vida é bela e alegre. Todos nós tivemos já a experiência disso milhares de vezes. Provas sobre provas de que não há primavera sem flores, nem outono sem frutos. Mas, apegados como estamos à aparência de tudo, esquecemos a voz do profundo, e ouvimos deliciados o som da superfície. Temos o vício da tristeza."

 Fonte - Diário (1946) Autor -  Miguel Torga
  • Miguel Torga, pseudónimo de Adolfo Correia da Rocha, foi um dos mais influentes poetas e escritores portugueses do século XX. Destacou-se como poeta, contista e memorialista, mas escreveu também romances, peças de teatro e ensaios. Wikipédia

  • Nascimento: 12 de agosto de 1907, Portugal
  • Falecimento: 17 de janeiro de 1995, Coimbra, Portugal
  • 9 comentários:

    1. SER POETA

      Não te apaixones por mim, disse-te um dia,

      num momento.

      Um poeta não se tem, não se possui, nem se guia,

      ele é o vento.

      É o sentir, o amor, é a noite e também o dia,

      o lamento.

      O céu, as estrelas o Universo. a luz que envia,

      do firmamento.

      Um poeta não se tem – ele é tristeza e alegria,

      em breve momento.

      Porque ele é sonho, sortilégio ,também magia

      e desalento.

      Tão grande assim, em limitado espaço fenecia,

      não no pensamento.

      Aí é o seu trono, o seu reino, algures de algum dia!

      Hélde

      ResponderEliminar
      Respostas
      1. Obrigado Hélder,agradeço sua consideração.

        Abraço

        Eliminar
    2. Olá João!
      Que bom lhe ver de volta com esse belo post.
      Gosto muito dos textos de Miguel Torga. Me recordo do mais recente que li. "Liberdade": trecho,,,
      "...Até que um dia, corajosamente,
      Olhei noutro sentido, e pude, deslumbrado,
      Saborear, enfim,
      O pão da minha fome.
      — Liberdade, que estais em mim,
      Santificado seja o vosso nome. "
      (M.T. in 'Diário XII')

      O meu saudoso abraço!

      ResponderEliminar
      Respostas
      1. Realmente Lu estou em falta com você e peço
        desculpas.
        O Miguel foi um homem digno de ser admirado.

        Abraço e obrigado por sua consideração,irei visitar seu
        blog o mais breve possível.

        Eliminar
    3. Oi João muito gira teu texto do Miguel
      gosto de ler,mas tem coisas que acho complicado
      kkkkkkkkkkkkkk
      Vc está bem?
      desculpa demorar de vir aqui ando ocupada.
      Beijinhos da Sara

      ResponderEliminar
      Respostas
      1. Estamos quites sim Sarinha e sim estou bem,obrigado.
        O Miguel tem de facto uns trechos complicados,mas dar para entender com calma.
        Emprego novo rapariga?
        Com uma crise dessas é uma noticia boa.
        Abraço.

        Eliminar
    4. Caro João Mariano Lopes - Aqui estou eu de armas e bagagens neste seu espaço "arejado" e sem complicação desnecessária. Quanto ao Miguel já sabemos do valor da sua escrita - mas é sempre bom repescarmos os trechos dos seus excepcionais trabalhos literários. Ainda bem que hà gente a torcer pela boa leitura. É com satisfação que, hoje, já se vê muitos autores expostos nas bancas. Houve um salto qualitativo muito importante no nosso país. Estou satisfeito, querido amigo por parrtilhar consigo os nossos trabalhos na internet. e,digo-lhe francamente que gostei de aqui estar. Parabéns pela criação deste simpático e aprazivel espaço-
      Um grande abraço
      Hélder Gonçalves

      ResponderEliminar
      Respostas
      1. Obrigado Hélder,apesar dos tempos corridos em certos abandalhamentos que agente ver na internet,realmente a qualidade de muita coisa mudou,inclusivamente na boa literatura.
        Eu não percebo grandes coisas dessa gerigonça,mas vou me desenrascando como posso.
        Abraço,gostei de ver o Amigo, outra vez aqui.

        Eliminar

    Translate